Editora da UFRNEditora da UFRN

Menu
K
P

Gregório de Matos: Do barroco à antropofagia

  • Autor/ Organizador: Samuel Anderson de Oliveira Lima
  • ISBN: 978-85-425-0657-0
  • Ano de publicação: 2016
  • Linha editorial
  • Coleção/ Série
  • Tipo de publicação: Digital
  • Formato/suporte: Adobe PDF
  • Número de páginas: 376
  • Palavras-chaves: Matos, Gregório de, 1633-1696 – Crítica e interpretação, Poesia brasileira – História e crítica, Literatura barroca, Antropofagia (Movimento literário)
  • Link para baixar o livrohttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21973
  • Sinopse: A figura exponencial de Gregório de Matos e Guerra tem sido motivo de muitas discussões teóricas ao longo dos anos, desde o seu aparecimento em praça pública, no século XIX, e ainda mais, no século XX, quando foi resgatado pela vanguarda modernista. Resultado disso, ainda existem dois lados antagônicos quando se trata de Gregório de Matos: os que o defendem e os que o acusam. Os primeiros defendem a posição de que o poeta baiano foi a primeira voz literária no Brasil, alçada sob as bases do Barroco, e os outros o acusam de ser ele um mero imitador dos poetas espanhóis do século XVII, sem, portanto, ter contribuído significativamente para a formação da Literatura Brasileira. Este livro, que é fruto de uma tese de doutoramento sob o mesmo título, segue o pensamento daqueles que defendem o poeta como barroco-antropofágico, devorador de culturas, com participação ativa no processo de formação da nossa identidade cultural e literária. A fim de defender a hipótese de que Gregório de Matos foi nosso primeiro antropófago, este livro observa como seus poemas revelam as características intrínsecas do Barroco e da Antropofagia, com evidência na sua vertente carnavalizante, expondo ao mundo, satiricamente, os interstícios da vida humana. A poesia gregoriana, sob esse aspecto, contribuiu para a composição do cenário barroco-antropofágico em solo brasileiro, com sentido especial para o caráter transtemporal que lhe é dado, uma vez que não está só nos Seiscentos, nas amarras da historiografia, mas também está presente hoje na atualidade de seus temas, ancorada pela eterna dúvida do homem barroco.
Voltar